Loopstory

A parábola dos dois mares e uma lição sobre abundância

2 min de leitura
Junte-se a milhares de Loopers

Em menos de um minuto, você pode entrar para a nossa lista prioritária e receber conteúdos exclusivos.

Narra o escritor Bruce Barton que, na Palestina, existem dois mares bem distintos.

O primeiro deles é fresco e cheio de peixes. Possui margens adornadas com bonitas plantas e muitas árvores as rodeiam, debruçando seus galhos em suas águas, enquanto deitam as raízes nas águas saudáveis para se dessedentarem.

Suas praias são acolhedoras e as crianças brincam felizes e tranquilas.

Esse mar de borbulhantes águas é constituído pelo rio Jordão. Ao redor dele, tudo é felicidade.

As aves constroem os seus ninhos, enchendo com seus cantos a paisagem de paz e de risos. Os homens edificam suas casas nas redondezas para usufruírem dessa classe de vida.

Mas, o rio Jordão prossegue para além, em direção ao sul, em direção a outro mar.

Ali tudo parece tristeza. Não há canto de pássaros, nem risos de crianças. Não há traços de vida, nem murmúrio de folhas.

Os viajantes escolhem outras rotas, desviando-se desse mar de águas não buscadas por homens, nem cavalgaduras, nem ave alguma.

Se ambos os mares recebem as águas do mesmo rio, o generoso Jordão, por que haverá entre ambos tanta diferença?

Num, tudo canta a vida, noutro parece pairar a morte.

Não é o rio Jordão o culpado, nem causa é o solo sobre o qual estão, ou os campos que os rodeiam.

A diferença está em que o Mar da Galileia recebe o rio, mas não detém as suas águas, permitindo que toda gota que entre, também saia, adiante.

Nele, o dar e receber são iguais.

O outro é um mar avarento. Guarda com zelo todas as gotas que nele ingressam. A gota chega e ali fica. Nele não há nenhum impulso generoso.

O Mar da Galileia dá de forma incessante e vive de maneira abundante.

O outro nada dá e é chamado de Mar Morto.

 

Para atingir a prosperidade e a felicidade plena, você precisa antes ser abundante.

Quando você divide o pouco que tem, demonstra que está em abundância e então recebe em troca cada vez mais motivos para se sentir assim.

Fazer o bem não atrai outra coisa além de felicidade e conquistas.

 

Gostou da história? Baixe-a em formato de Stories clicando aqui.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.