Loopstory

A parábola da caverna

3 min de leitura
Junte-se a milhares de Loopers

Em menos de um minuto, você pode entrar para a nossa lista prioritária e receber conteúdos exclusivos.

Havia uma caverna subterrânea com uma única abertura para o mundo exterior.

Dentro dela, seres humanos acorrentados pelas pernas e pescoços, vivendo na semiescuridão desde a infância, presos de tal modo que não se podiam mover.

Tais homens, verdadeiros prisioneiros, ficavam de costas para a abertura da caverna e só podiam olhar para frente onde havia uma parede, pois eram impedidos de virar a cabeça por causa das correntes.

A única luz que viam era proveniente de uma fogueira que ardia do lado de fora da caverna, e que projetava, para seu interior, sombras de pessoas e objetos que passassem entre a fogueira e a entrada da caverna.

Assim, os prisioneiros acreditavam que as sombras que viam eram a única verdade, a realidade do seu mundo.

Em certo momento, um dos prisioneiros foi libertado das correntes e trazido para fora da caverna.

No seu processo de adaptação à nova realidade, precisou acostumar-se com a claridade do fogo e a visão de um novo mundo.

Viu primeiro as sombras no chão, depois os reflexos de homens e objetos na água, e então, fitou-os diretamente.

Depois, vendo o céu, o sol, pôde raciocinar sobre eles.

Tocou em objetos, pisou o solo e olhou para todos os lados.

Descobriu fatos e coisas nunca antes imaginados, uma nova realidade.

Passado algum tempo, maravilhado com o grande processo de mudança que tinha vivido, lembrou-se dos companheiros e retornou à caverna.

Era importante dar aos demais prisioneiros a oportunidade de descobrir outra realidade.

Mas sua missão não foi fácil.

Por sua dificuldade em acostumar-se novamente à semiescuridão e em interpretar as sombras com a mesma habilidade, passou, a princípio, a ser ridicularizado pelo grupo.

Os prisioneiros da caverna ainda acreditavam na sua “realidade”, e concluíram que o prisioneiro libertado voltava enxergando menos que antes, contando estranhas histórias sobre uma “realidade impossível”.

Julgavam ser melhor não saírem da caverna, não rejeitar as sombras tão familiares em troca de um mundo “melhor”, porém desconhecido.

Apesar das dificuldades, o “iluminado” enfrentou, com paciência e determinação, sua missão, compreendendo as resistências impostas por seus companheiros e mantendo-se firme na busca pela evolução e pelo descobrimento de coisas novas para ele e seus semelhantes.

 

Gostou da história? Baixe-a em formato de Stories clicando aqui.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.